A música ajuda no desempenho da atividade física

A música ajuda no desempenho da atividade física

Este ano celebramos 10 anos de parceria com um Fitness Club que veio mudar a rotina e estilo de vida de mais de 150 mil portugueses. Com 43 ginásios espalhados um pouco por todo o país, com destaque para a zona da Grande Lisboa e do Grande Porto, este clube lançou-se no mercado em 2011, com um conceito pouco habitual até então em Portugal: ginásios Low-cost. A esta ideia, acrescentaram ainda um toque “premium”, indo ao encontro do que o público pretendia e preenchendo assim uma necessidade existente no mercado. Estamos a falar do Fitness Hut, claro!

É com muita satisfação que a Waybox acompanha a evolução deste clube desde o primeiro dia. Para marcar uma década de parceria, estivemos à conversa com Bruno Baliza, diretor de Vendas do Fitness Hut, que nos falou sobre o conceito e evolução do clube em Portugal, os desafios da pandemia e perspetivas de crescimento; bem como sobre a relevância da música ambiente em espaços fitness e a vantagem de ter um parceiro como a Waybox nessa área.
.

A evolução do Fitness Hut

.
O diretor de vendas começou por explicar que, em 2011, “o Fitness Hut veio ser transformador, no sentido em que veio ser a primeira grande cadeia em Portugal a lançar um serviço Low-cost, com um serviço de qualidade e de preços baixos”. Segundo Bruno, denominam de Premium Low-cost, pois, ao contrário dos ginásios similares europeus, incluem alguns serviços que o chamado Low-cost normalmente não facilita, como aulas de grupo e balneários; sendo que o Fitness Hut fez um grande investimento em máquinas e aulas de grupo.

O êxito do conceito foi tal que, mesmo antes de abrirem portas, já contavam com mais de 2000 sócios-fundadores inscritos. O primeiro clube a abrir portas foi o do Amoreiras (Lisboa), em Outubro de 2011, seguindo-se o de Cascais e Trindade (Porto). Desde então, continuaram com uma expansão muito acelerada. Após a chegada da pandemia, que atingiu severamente o sector do Fitness, o clube encontra-se numa fase de estabilização. Todavia, Bruno afirma que estão otimistas e com vontade de retomarem os números de sócios que tinham pré-pandemia e de voltar a crescer: “não só para dentro das grandes cidades, mas também para fora”, afirma.
.

A adaptação à pandemia

.
O sector fitness “adaptou-se, quer através de treinos online durante os períodos de confinamento, quer através de medidas de segurança e higiene adaptadas a esta nova realidade”, acrescenta.  Bruno refere que, após o primeiro confinamento, tiveram uma abertura muito boa e que nos primeiros meses já estavam a ter números de ingressos nos clubes idênticos aos de antes da pandemia. “O feedback que temos até hoje em termos das regras de segurança dos nossos sócios é de que eles se sentem seguros e, embora todas estas limitações que acabam por ser criadas por algumas decisões governamentais, a verdade é que até hoje não tivemos nenhum surto em nenhum dos nossos ginásio”, aponta.

Relativamente à prática de exercício, Bruno supõe que “a prática da atividade física sempre foi importante, mas das coisas boas que talvez podemos retirar desta pandemia é a necessidade que as pessoas sentem de cuidar melhor delas. Os ginásios, pela facilidade de dentro do mesmo espaço se poder realizar uma série de treinos (…), tem todas as condições que permite [fazer exercício] à hora que quiser, quando quiser”.
.

A música ambiente em espaços fitness

.
Desde as máquinas, ao treino acompanhado, há um elemento que também está sempre presente nos ginásios, mesmo que em pano de fundo, sendo parte integrante da sua dinâmica: a música ambiente!

Quem tem por hábito praticar exercício físico, sabe em primeira mão que a música facilita muito na sua execução. A música ambiente estimula e aumenta o foco da realização da atividade, tornando-a mais prazerosa e ajudando a distrair das sensações de cansaço e dor, assim como contribui para o aumento do desempenho das mesmas.
.

O ritmo certo e a letra certa

.
Para obter um melhor desempenho, o ritmo da música deve acompanhar os batimentos cardíacos de quem a ouve e as batidas devem ser repetitivas e fortes. Segundo um estudo da Universidade de Brunel, no Reino Unido, “sincronizar o ritmo dos exercícios com as batidas da música faz com que o corpo use menos 7% de oxigénio, reduza 10% da perceção do esforço e aumente em 15% o desempenho”.

Outro fator de motivação que também deverá constar é a presença de termos e palavras relacionadas com corrida. “Born to Run” de Bruce Springsteen e “Run the World” de Beyoncé são alguns exemplos de músicas que devem constar no repertório musical de espaços fitness ou de quem se exercita.
.

A música como parte integrante da experiência.

.
Para o diretor de vendas do Fitness Hut, a música ambiente dentro de um ginásio é essencial e é parte integrante da experiência: “Faz parte de toda a experiência do nosso clube, (…) mesmo para as pessoas que usam os seus telemóveis para ouvir música; faz parte da dinâmica de entrar no ginásio, de ir para a sala de exercício, do momento de espera de uma aula e mesmo no tempo despendido em balneário.”

Para Bruno, uma das grandes mais valias do serviço de música ambiente da Waybox é a possibilidade de adaptação a cada ginásio, pois a população é bastante heterogénea, tanto dentro do próprio clube, como de ginásio para ginásio. Por exemplo, nas horas de almoço, por norma, consta uma população mais sénior, enquanto ao final do dia uma população ativa mais jovem e adulta. O mesmo acontece de ginásio para ginásio “o nosso ginásio da Amadora não tem o mesmo tipo de população, nem prefere o mesmo tipo de música, que o nosso público em Picoas ou o nosso clube nas Antas, no Porto”

O diretor menciona ainda que sentem “que cada vez mais as pessoas não querem usar os seus telemóveis e que querem afastar-se um pouco dele, pelo menos no momento em que estão a treinar. É difícil estar a ouvir música no telemóvel enquanto está constantemente a apitar o barulho das mensagens, do whatsapp, etc.”.
.

A vantagem da parceria com a Waybox

.
É neste contexto que o Fitness Hut considera a música ambiente como um elemento crucial para os seus espaços: “Para nós, a facilidade que temos de adaptação com a Waybox, inclusivamente a facilidade em mudar rapidamente os canais e o tipo de música que estamos a colocar, faz toda a diferença; principalmente no nosso meio e no nosso clube low-cost. (…) Essa adaptabilidade para nós é fundamental. (…) A facilidade que nós temos de implementá-la, de instalar; a relação que temos com a Waybox em termos da qualidade que entrega é imbatível (…) e daí em continuarmos ao longo destes 10 anos”, conclui Bruno Baliza.

Para espaços de fitness, a Waybox tem um leque muito extenso e variado de playlists já pré-formatadas, específicas para este tipo de estabelecimento. Desde playlists para treinos diários, aulas de grupo, com hits up-tempo, dança, crossfit e muito mais, para criar um ambiente personalizado de forma fácil, intuitiva e customizável.